Por: Rodrigo Kroth | 13/09/2017

Fazia tempo que a Chapecoense não saia de campo aplaudida pela sua torcida. Mesmo com o empate sem gols contra o Flamengo, a equipe mostrou um futebol de atitude, diferente dos outros jogos, mesmo quando jogava em seus domínios. E não foi só isso: saiu de campo com uma pequena vantagem para o próximo jogo contra uma equipe de elenco milionário, e que tem jogadores como Diego e Juan, com passagens pela Seleção Brasileira.

A autoestima era evidente na cara dos jogadores e comissão técnica da Chapecoense na zona mista após a partida de ontem. O que pode ser um recomeço para a retomada da equipe no Campeonato Brasileiro e, principalmente, sair da incômoda posição na tabela. A Chape está em 18º, com 25 pontos, e enfrenta o Grêmio domingo, em Porto Alegre, às 16h, pela 5ª rodada do Brasileirão.

Alan Ruschel foi titular pela primeira vez em um jogo oficial pela equipe desde que voltou a jogar após o acidente. “Estou feliz pela minha partida. Superei até a minha expectativa. Feliz pelo momento que estou vivendo. Eles falaram que eu estava preparado. Nunca quis piedade. Me dedico como todos”, resumiu o jogador.

Ele jogou no meio campo, posição em que iniciou a carreira. No entanto, se destacou como na lateral esquerda. Mas, de acordo com ele, se sentiu bem na posição, e há possibilidades de que continue jogando no meio de campo nos próximos jogos. Quando saiu de campo, foi muito aplaudido.

Em coletiva, Alan destacou o comportamento da equipe contra o Flamengo.“Essa (luta) é a identidade da Chapecoense. Parecido comigo de se doar, se dedicar. Precisávamos recuperar essa pegada, essa força. Os jogadores se fecharam”, disse o jogador. E completou falando que a equipe jogou contra um grande Clube, o que deve ser levado como outro fator positivo.

Para Emerson Cris, que comandou os últimos treinamentos da equipe e ficará no comando até que um novo treinador assuma o comando, o time se comportou bem durante os 90 minutos. “Sei do potencial de cada um e joguei a responsabilidade para eles. Deu certo. Ninguém muda tudo em poucos dias. Foi uma resposta dos meninos em campo”, concluiu.