Por: Marina Schielke | 2 semanas atrás

De acordo com a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), o número de famílias endividadas alcançou 62,2% em novembro. Os dados foram divulgados hoje (04) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

O aumento do percentual foi de 0,4% referente a outubro. Essa foi a quinta alta consecutiva registrada. O incremento em relação a mesma época do ano passado é de 0,6 ponto percentual.

Famílias inadimplentes

O número de famílias que estão endividadas diminuiu. Em outubro 26% das famílias estavam inadimplentes, já em novembro esse número teve uma rápida queda para 25,8%. O maior número registrado no ano até o momento foi no mês de setembro, 26,5%.

A proporção de famílias que declararam não ter condições de pagar as suas contas ou dívidas em atraso e que, portanto, permaneceriam inadimplentes ficou estável em 10,1% entre outubro e novembro, embora tenha apresentado alta em relação aos 9,5% de novembro do ano passado.

Segundo a CNC, para 76,9% das famílias que possuem dívidas, o cartão de crédito permanece como a principal forma de endividamento, seguido de carnês (16,7%) e financiamento de carro (10,4%). A Peic aponta também estabilidade no percentual de famílias que se declararam muito endividadas, que permaneceu em 14,6% do total.

Já o percentual de famílias pouco endividadas teve leve alta de 0,9 ponto percentual na comparação mensal: passou de 24,5% para 24,6% do total de entrevistados – o que também indica estabilidade. Em relação ao mesmo período do ano passado este aumento foi de 0,6 ponto percentual.

O tempo médio de atraso para o pagamento de dívidas foi de 64,2 dias em novembro deste ano, superior aos 63,3 dias de novembro de 2016.