Por: Nelson Pedroso | 06/02/2018

Após investigações e vários depoimentos, a Polícia Civil desvendou, nesta segunda feira (05) a morte de homem encontrado boiando no rio Irani. Dias atrás foi localizado um corpo no rio, em 24 de janeiro. O que chamou a atenção foi o fato do homem estar com pés e mãos amarrados e boca amordaçada.

Para a Divisão de Investigação Criminal (DIC), o homem estaria vivo quando foi jogado no rio, pois tinha água nos pulmões. O corpo foi encontrado no trecho entre Arvoredo e Chapecó, um homem e uma mulher foram presos. No primeiro momento, foi difícil identificar a vitima, pois não havia registro de desaparecimento. Porém, Carlos Roberto Crivone, de 22 anos foi reconhecido por tatuagens que tinha no corpo. Um grupo de pessoas no bairro Passo dos Fortes, usam tatuagens semelhantes.

Entenda o caso

A mulher presa acusada tinha um envolvimento amoroso com a vítima. Ela contou à Polícia que o homem a extorquia  dinheiro que o mesmo usava para comprar drogas. Um domingo antes da localização do corpo, ele, bêbado, teria ameaçado a vitima. Neste momento ela o golpeou na cabeça e ele desmaiou. Juntamente com o outro homem, também suspeita, teriam utilizado capa de sofá, para enrolar a vitima e uma camionete para transportar.

Imagens de vídeo monitoramento, usados pela Polícia, mostram o veículo saindo pela Av. Fernando Machado por volta das 22h do dia 21 e retornando às 02h do dia seguinte, usando a mesma rua.

Os dois deverão ser indiciados por homicídio qualificado. Ambos foram encaminhados para o Complexo Penitenciário de Chapecó